Simplesmente Lu

Novembro 19 2011

Ballare Escola de Dança monta ballet completo com a participação de mais de 150 pessoas

 

http://a6.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-snc7/312273_1990658421155_1684218459_1427577_587864739_n.jpg

Camila Viana (Kitri), Guilherme Oliveira (Basilio) e corpo de baile da Ballare (foto: Manoel Pantoja)

 

Romance, pitadas de comédia e muita alegria são ingredientes de “Dom Quixote”, ballet em quatro atos que versa sobre o amor de Kitri e Basílio e é baseado no clássico literário escrito pelo espanhol Miguel de Cervantes. A montagem é uma das mais executadas em todo o mundo e neste sábado (19) e domingo (20), no Teatro Margarida Schivasappa, Centur, é a vez dos bailarinos e bailarinas da Ballare contarem com muita dança a trama ambientalizada na Espanha. A montagem conta com cerca de 150 pessoas e com a participação especial do bailarino Guilherme Oliveira e do ator Paulo Fonseca (Paulão).

 

“Dom Quixote” foi criado em 1869 por Marius Petipa e é uma obra de difícil execução pela exigência técnica e expressiva dos bailarinos. Ballare apresentará a versão que Mikhail Baryshnikov fez para a obra. No enredo, Dom Quixote é apaixonado por romances de cavalaria e está sempre confundindo fantasia com realidade, característica que, no ballet, serve apenas de pretexto para o enredo principal, que gira em torno do casal. O cavaleiro e seu escudeiro são mais coadjuvantes, mas com papel fundamental no desenrolar da história. Apaixonada por Basílio, a espanhola Kitri é obrigada por seu pai (Lorenzo, interpretado pelo ator Kauê Choen) a se casar com o nobre comerciante Gamacho; isso até Dom Quixote e Sancho entrarem na trama para dar novo desfecho ao romance embalado pela música marcante de Léon Minkus, uma das mais geniais melodias do mundo da dança.

 

Guilherme Oliveira conta que a peça é de difícil execução para o corpo de baile e para os solistas, tanto pela coreografia movimentada e elaborada quanto pelo fato de ambos permanecerem muito tempo no palco, não só como figurantes, mas quase sempre dançando. “Em Dom Quixote a gente tem uma dança ‘demi caracter’ (característica): uma junção da dança clássica à dança espanhola a caráter, utilizando-se dos trejeitos e alegorias desta dança típica”, detalha Guilherme, primeiro bailarino da Companhia Brasileira de Danças Clássicas, de São Paulo, que leva para seu personagem (Basílio) a experiência de já ter dançado a peça em diversas cidades brasileiras, em Miami (EUA) e em Paris (França). Da montagem participam alunos da Ballare Escola de Dança e da Companhia de Dança, com destaque para Camila Viana e Aliny Luz, que se revezarão no papel principal (Kitri) com Guilherme Oliveira. Os primeiros papéis também serão representados, em uma das sessões, por Suelen Lopes e Ronilson Cruz (Ballare).

 

http://a7.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash4/384229_1990615100072_1684218459_1427547_803278624_n.jpg

         bailarina Camila Viana (foto: Manoel Pantoja)

 

DESTAQUE - A escolha da peça tem um significado especial nas comemorações dos 10 anos da escola por ter sido o primeiro repertório completo montado pela Ballare apenas com bailarinos da companhia de dança, em 2002, um ano após a sua inauguração. No início do ano passado “Dom Quixote” foi novamente apresentado, mas como resultado do workshop promovido anualmente pela escola. Parceiro de Ana Rosa desde o início, o bailarino paulista assina a direção artística do espetáculo junto com ela.

 

Guilherme observa que, dessa vez, além da quantidade de pessoas envolvidas ter triplicado, a técnica dos bailarinos está cada vez mais apurada. “A Camila está dançando no mesmo nível das bailarinas de São Paulo. Ela é um expoente da dança paraense!”, elogia o bailarino que já foi “partner” dela nas montagens completas de “Coppelia” e “Paquita”. Para Camila Viana, que dança há 21 anos e é professora da escola, dividir o palco com o bailarino paulista novamente e em um ballet de exigências técnicas e interpretativas como esse é “gratificante” pelo fato de o bailarino estar em contanto constante com outros profissionais de dentro e fora do Brasil. Ronilson Cruz fala que a responsabilidade é grande, mas compensa. “Sinto-me valorizado por esta oportunidade que estou tendo como bailarino de ser o primeiro solista”, afirma.

 

http://a6.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash4/302669_195133980569661_100002191826517_420670_805776902_n.jpg

da esquerda para a direita, em destaque, atores Thiago Losant (Sancho), Paulão (Gamacho)

e Kauê Choen (Lorenzo),durante ensaio do espetáculo Dom Quixote (foto: Pedro David)

 

Na opinião de Ana Rosa, que faz participação especial no espetáculo como “Mercedes”, solista do grupo das “espanholas”, o revezamento dos bailarinos é importante para que todos tenham oportunidade de crescer a partir do próprio esforço. É um grupo afiado de cinco atores de diversas companhias paraenses que vai dar vida a outros personagens importantes no desenrolar da história, dentre eles Dom Quixote e seu fiel escudeiro, Sancho Pança, interpretados, respectivamente, por Gustavo Saraiva e Thiago Losant. No papel de Gamacho (o noivo escolhido para Kitri) e na direção dos atores está Paulo Fonseca, o Paulão, do grupo Experiência, que divide o papel de Gamacho, nobre pretendente de Kitri, em uma das sessões, com o ator Pedro Fiqueiredo.

 

Paulão explica que Dom Quixote e Sancho Pancha fazem a “costura” do ballet, determinante para o seu desenrolar. Segundo ele, a construção dos personagens em montagens de repertório é um trabalho primoroso e bem diferente dos demais, como as linguagens do teatro e até dos musicais. Em um ballet de repertório, frisa, o ator tem que “falar” com o corpo por meio de gestos e movimentos guiados pela música. “O bailarino tem oito tempos, seis tempos... A gente tem que aprender a interpretar nestes tempos porque a história toda se desenha em gestos e nós temos que construir o personagem com o corpo e no tempo certo da música”, explica Paulão. “As expressões e os gestos acabam sendo maiores para poder alcançar a plateia”, completa Gustavo Saraiva, ator formado pela Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará (UFPA).

 

A direção geral do espetáculo é de Ana Rosa, bailarina, coreógrafa e professora da Ballare Escola de Danças, que também já realizou a montagem completa de “La Bayadère”, “O Quebra-Nozes”), “Coppélia” e “Paquita”. Haverá, ainda, uma sessão especial de “Dom Quixote”, às 16 horas de domingo, 20, reservada para o público oriundo de projetos sociais, uma iniciativa da Ballare em parceria com a Cia de Arte e Produções.

 

SERVIÇO: “Dom Quixote”, espetáculo da Ballare Escola de Dança, com a participação de bailarinos e atores convidados. Data: 19 de novembro (sábado), às 20h, e 20 de novembro (domingo), às 19h30. Local: Teatro Margarida Schivasappa – Centur. Ingressos: R$ 30 reais, que podem ser adquiridos com antecedência na secretaria da escola; a venda de meia-entrada ocorrerá apenas nos dias dos espetáculos, na bilheteria do teatro. Fone: (91) 3241 3182. Email: ballare@oi.com.br e 8408-7087

 

http://a1.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash4/386065_1990603939793_1684218459_1427546_299694164_n.jpg

em destaque, bailarina Suelen Lopes e bailarino Willame Diniz, da Ballare Cia. de Dança

(foto: Manoel Pantoja)

 

Texto: Luciane Fiuza - Assessoria de Comunicação do Espetáculo "Dom Quixote", da Ballare Escol de Dança

 

publicado por Luciane Barros Fiuza de Mello às 11:11
Tags:

mais sobre mim
Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
17
18

20
21
22
23
24
26

27
28
29
30


pesquisar
 
myspace views counter
blogs SAPO