Simplesmente Lu

Abril 20 2013

Prefeitura Municipal de Tucuruí incentiva a arte da dança ao promover o "Didan 2013"


O município de Tucuruí, no sudeste do Pará, conhecido por sua imponenteusina hidrelétrica, a maior do país em termos de potência instalada, tem também grandes companhias de dança. Não é de hoje que o município aparece como vencedor de festivais dentro e fora do Pará, que são referências na área. Com esse intuito a Prefeitura Municipal de Tucuruí realiza, de 24 a 28 de abril, no Ginásio Poliesportivo e no Centro de Convenções do município, a segunda edição do Dia Internacional da Dança, o “Didan 2013”. 


Por conta de todo esse conteúdo e com o intuito de incentivar e relevar talentos, a administração pública local tem realizado ações que fomentem cada vez mais esta área artística. São festivais, capacitações, palestras, cursos, informações e eventos promovidos e apoiados com verbas públicas direcionadas à dança.


Para o “Didan 2013”, a Prefeitura de Tucuruí, através da Secretaria de Educação e Cultura, preparou uma agenda especial, alusiva à data comemorativa tão esperada por bailarinos, coreógrafos, professores e demais admiradores desta arte envolvente e encantadora.


Por meio de uma parceria firmada com o Instituto de Artes do Pará (IAP) será promovida capacitação em maquiagem artística para os artistas da cena, sejam eles da dança ou do teatro. Além das aulas de diversas técnicas de dança, durante o evento, os participantes também poderão assistir a filmes temáticos, visitar a exposição, aprender a preparar um “book bailarina” (álbum de fotos), aulas de coque, entre outras atividades.


Muita informação será disponibilizada não só para quem é da área, mas também para todos os que admiram e trabalham envolvidos pela arte de da dança. E o que é melhor, o “II Didan” é um evento em que todas as ações são gratuitas.


Para isso, a Prefeitura Municipal de Tucurui, além do IAP, conta com o apoio de Flávio Cosméticos - revendedor dos produtos Natura; Casa da Bailarina (Espaço Camarim); Tucuruí Shopping Center e Sistema Floresta de Comunicação.


  Usina Hidrelétrica de Tucuruí (UHT) é referência do município. Foto: Raymonds Santos


CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO “DIDAN 2013”:


24.04 (Quarta) – Sala de Dança do Ginásio Poliesportivo, 09 às 11h e de 15h às 17h: Cine Ballet; Book Bailarina (o); Aula de coque e maquiagem. Aberto ao público em geral.


25.04 (Quinta) – Sala de Dança do Ginásio Poliesportivo, de 09 às 11h: mesma programação, sendo que somente para as turmas baby class do Ginásio Poliesportivo.


26.04 (Sexta) – Centro de Convenções, das 08h às 12h e 14h às 18h: Curso de maquiagem artística, direcionado ao público artístico.


27.04 (Sábado) – Centro de Convenções, das 08h às 12h e 17h às 21h: Curso de maquiagem artística, sendo que a partir das 19h, na praça de alimentação do Tucuruí Shopping, a Exposição Viva mostrará o resultado da oficina.


28.04 (Domingo) – Centro de Convenções, às 19h, sessão Dança Contemporânea.  Aberta ao público em geral.

 

Da Redação do Sistema Floresta de Comunicação, com colaboração de Rose Monteiro


Fotos (créditos):


Cartaz Didan 2013: a criação do  cartaz do “DIDAN” é de Jascy Escobar; e a versão 2013 é criação de Guto Silva.

FOTO: Prefeitura Municipal de Tucuruí/Divulgação


Foto da Usina Hidrelétrica de Tucuruí (UHT):  Raymonds Santos

 

publicado por Luciane Barros Fiuza de Mello às 19:36
Tags:

Abril 17 2013

Colar "Matinta", da Coleção "Manualidades:

Lapidando Tendências" - criação da designer Nilma Arraes.

FOTO: João Hamid

O trabalho de fomento ao setor produtivo de gemas, joias e artesanato, desenvolvido no Espaço São José Liberto será destaque no “Encontro Luso-Brasileiro de Economia Criativa para o Desenvolvimento Territorial”, que acontecerá em Lisboa (Portugal), nos dias 7 e 8 de junho de 2013, no Espaço Brasil, administrado pela Funarte (Fundação Nacional de Artes). O evento é uma realização do Ministério da Cultura (Minc), por meio da Secretaria de Economia Criativa.

O encontro faz parte da programação de encerramento das atividades do “Ano do Brasil em Portugal/Ano de Portugal no Brasil”, que tem como comissários gerais Antônio Grassi, presidente da Funarte, e Miguel Horta, presidente da Fundação Luso-Brasileira.

Apenas duas experiências brasileiras e duas portuguesas serão apresentadas durante o evento, cuja programação inclui apresentações e intercâmbios de experiências de economia criativa e desenvolvimento territorial. Do Brasil, foram convidados dois Estados: Pará e Minas Gerais.

 

O trabalho de fomento ao setor produtivo de gemas, joias e artesanato, desenvolvido no Espaço São José Liberto será destaque no “Encontro Luso-Brasileiro de Economia Criativa para o Desenvolvimento Territorial”, que acontecerá em Lisboa (Portugal), nos dias 7 e 8 de junho de 2013, no Espaço Brasil, administrado pela Funarte (Fundação Nacional de Artes). O evento é uma realização do Ministério da Cultura (Minc), por meio da Secretaria de Economia Criativa.

O encontro faz parte da programação de encerramento das atividades do “Ano do Brasil em Portugal/Ano de Portugal no Brasil”, que tem como comissários gerais Antônio Grassi, presidente da Funarte, e Miguel Horta, presidente da Fundação Luso-Brasileira.

Apenas duas experiências brasileiras e duas portuguesas serão apresentadas durante o evento, cuja programação inclui apresentações e intercâmbios de experiências de economia criativa e desenvolvimento territorial. Do Brasil, foram convidados dois Estados: Pará e Minas Gerais.

O Estado do Pará será representado no encontro pelo Programa Polo Joalheiro do Pará, desenvolvido no Espaço São José Liberto, que se tornou referência de política pública e projeto de economia criativa. A outra experiência brasileira é o Polo Criativo Zona da Mata Mineira.

Acessórios de Moda: Carteira "Floresta" - 

criação da designer Rosa Castro. FOTO: João Hamid


EXPOSIÇÃO - O Pará também foi convidado para participar da exposição “Cultura e Natureza: Design, Moda e Manualidades Amazônicas”, que ocorrerá de 7 a 10 de junho, também no Espaço Brasil, em Lisboa. Na ocasião, serão expostos acessórios de moda, joias e manualidades criadas e confeccionadas por profissionais vinculados ao Espaço São José Liberto.

Além da experiência do Polo Joalheiro, o governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom), divulgará o Projeto Plataforma Criativa, coordenado pela Diretoria de Comércio e Serviço da Seicom.

Para o governo do Estado, o convite feito pelo Ministério da Cultura é um reconhecimento ao trabalho artístico, produtivo, social e cultural desenvolvido no Espaço São José Liberto. “Esse trabalho é resultado de uma perfeita integração entre o governo do Estado, a Organização Social (que gerencia o espaço), empreendedores, empresas e organizações empresariais que, ao longo do tempo, transformaram o Espaço São José Liberto e o Programa Polo Joalheiro em referência nacional e internacional de espaço e projeto de capacitação e inclusão econômica, como gerador de emprego e renda e, agora, ainda mais fortalecido com o movimento da economia criativa”, ressaltou Airton Fernandes Lisboa, diretor de Desenvolvimento do Comércio e de Serviço da Seicom.

 

Bracelete "Equilíbrio Amazônico I", criação da designer Rosaurea Simões. FOTO: João Hamid 


CULTURA – O fomento à economia criativa, que considera a cultura como eixo estratégico de desenvolvimento, está na agenda de desenvolvimento econômico de vários países. Atividades de setores criativos desenvolvidas geograficamente próximas são chamadas de cidades criativas ou territórios criativos - espaços onde a economia criativa se mostra intensa ou com capacidade de desenvolvimento.

No Brasil, em uma iniciativa do Minc, o Plano Brasil Criativo (PBC) visa desenvolver e fortalecer os setores criativos, para incentivar o crescimento da economia nacional. O Plano está pautado na valorização do potencial humano, respeitando as diferenças e a diversidade de setores criativos de cada região do Brasil.

No Pará, o Espaço São José Liberto é considerado um território criativo desde sua criação, em 2002. De acordo com Rosa Helena Neves, diretora executiva da instituição, o local desenvolve suas ações tendo como eixos estratégicos a diversidade cultural amazônica, a inclusão social produtiva, a sustentabilidade e a inovação, a partir de materiais extraídos da floresta. A referência é a dimensão cultural material e imaterial da Amazônia.

Colar "Sonoro", criado pelo designer Misael Lima.

FOTO: João Hamid


 

“Joias, acessórios de moda e manualidades são criados com um design universal, em que a cultura, a natureza e o homem se harmonizam na geração da riqueza cultural e econômica”, ressaltou a diretora, acrescentando que, neste território (material e imaterial) foram organizadas cadeias produtivas de setores criativos, como as de joalheria, moda, culinária (representada nos licores, doces e bombons regionais comercializados na Casa do Artesão), artesanato e arquitetura.

“É a criação, produção, distribuição e mercado em sintonia com uma proposta inovadora de revelar talentos, gerar trabalho e renda para microempreendedores”, reiterou Rosa Helena Neves.

Ascom/Igama (Com informações da Secretaria de Economia Criativa do Minc)

 

LEIA TAMBÉM AQUI E AQUI:  São José Liberto é exemplo de Economia Criativa

publicado por Luciane Barros Fiuza de Mello às 16:04

mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


pesquisar
 
myspace views counter
subscrever feeds
blogs SAPO