Simplesmente Lu

Julho 26 2013

Rob Gray durante a CSEAR 2013. Foto: Sandro Ruggeri – Humana & Trad (Divulgação)


Uma das principais participações da terceira edição da Conferência Interamericana de Contabilidade Socioambiental, a “CSEAR South América 2013”, o pesquisador Rob Gray, do Reino Unido, veio pela primeira vez ao Norte participar do evento, que reuniu, na UFPA, dias 27 e 28 de junho, pesquisadores, estudantes e especialistas na área da Contabilidade empresarial em debates sobre sustentabilidade.


Rob Gray é o primeiro pesquisador a escrever um livro sobre Contabilidade Ambiental e autor de mais de 250 publicações sobre o tema. A “III CSEAR” congrega pesquisadores da área socioambiental, com ênfase no ramo de negócios. Sua finalidade é unir interesses e facilitar a formação de rede de pesquisas, visando ampliar as condições de sustentabilidade do planeta. Já a “CSEAR South America” é inspirada no CSEAR (Centre for Social and Environmental Accounting Research), um centro de pesquisas com cerca de 600 pesquisadores, de 30 países, que desenvolvem estudos em contabilidade social e ambiental, gestão ambiental, desenvolvimento sustentável e outros temas afins.


Criado em 1991, por Rob Gray, o CSEAR se tornou o mais importante centro mundial de pesquisas de Contabilidade Socioambiental, vinculado à Escola de Gestão da University of St. Andrews. O CSEAR é um centro de pesquisas com cerca de 600 pesquisadores de 30 países. A primeira edição da “CSEAR South America” aconteceu em 2009, na cidade do Rio de Janeiro, e foi promovida pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A segunda foi promovida em 2011 pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo – FEA-RP/USP.


A realização da conferência em Belém teve a coordenação geral de Leila Márcia Elias, membro do CSEAR SouthAmerica, que foi o realizador do evento, junto com a Universidade Federal do Pará (UFPA) e a Faculdade de Ciências Contábeis  (Facicon) da UFPA, com patrocínio do Governo do Estado, Banco da Amazônia, Faculdade Maurício de Nassau, Editora Atlas, Editora Saraiva e Conselho Regional de Contabilidade (CRC-PA).


 O CSEAR é um centro de pesquisa que é referência mundial em Contabilidade Socioambiental. O que o motivou a se dedicar ao tema?


ROB GRAY – “Duas coisas. Primeiro, se temos que encarar os desafios do desenvolvimento sustentável precisamos decidir o que é possível ser feito. Não o que deve ser feito, mas o que é possível. Cada um de nós precisa se dedicar ao que conhece e desenvolver esse conhecimento. Aí pode haver avanço. Daí me dei conta que as áreas de Contabilidade e Finanças são cruciais para o desenvolvimento sustentável. E eu queria fazer algo a respeito! Segundo, porque 20 anos atrás isso era um tema que ninguém levava a sério. Eu já estava estabelecido, mas conhecia muitas pessoas em outros países, que era desrespeitadas, pois se dedicavam a algo que não era considerado sério. Depois que virei um professor reconhecido, estava tudo certo; mas passei por muitos desses desrespeitos também. Agora eu nem ligo! Então eu montei um centro de pesquisas para agregar pesquisadores que se encontravam nessa situação: sofrendo desrespeito de seus colegas. Assim, eles teriam uma comunidade internacional a qual pertenceriam. Essa foi uma motivação simples que se tornou bem sucedida. Mais do que pensávamos”.


Quando se fala em Contabilidade Socioambiental o assunto leva a reflexões de como pessoas e empresas podem contribuir, efetivamente, com essa pauta, que é mundial. Como a CSEAR está contribuindo para despertar a sociedade para o assunto?


ROB GRAY – “Não concordo com a pergunta. Meu interesse como contador é em maneiras de mensurar, representar e avançar formas de contabilidade que não destruam o planeta e possam até encorajar formas diferentes de pensar o planeta e a sociedade. Então não tem nada a ver com contribuir com as empresas nem em empresas contribuírem para o desenvolvimento sustentável porque elas, definitivamente, não o fazem. Empresas e negócios contribuem para a insustentabilidade. Então a motivação é uma questão de encontrar formas de mostrar o impacto das organizações, especialmente as empresas. O CSEAR, primordialmente, junta professores e pesquisadores e os ajuda a desenvolver ideias aplicadas aos seus próprios países. Inicialmente, trabalhamos muito com as empresas, mas pessoas de negócios não gostam muito dos resultados”. 

 

Fale um pouco sobre o que há de novo na área da Contabilidade Socioambiental, sobre novidades que a conferência está mostrando.


ROB GRAY – “Novidade seria se as empresas e governos ouvissem os argumentos dos últimos 40 anos. Isso seria realmente novo, mas... Nosso maior problema, eu insisto, não é uma questão de estar certo ou errado, mas promover uma discussão aberta sobre problemas complexos e muito, muito difíceis! Governos e empresas têm se recusado a participar, e até permitir essas discussões, quando há conflitos entre os interesses dos negócios e os interesses da sociedade. Eu não iniciei sendo radical. Tenho me tornado mais radical à medida que o tempo passa. As ideias novas que introduzi nesta conferência dizem que desperdiçamos mais 30 anos pedindo a governos e empresas agirem inteligentemente e eles tem se recusado repetidamente. Eles se recusam a fazer o que deveriam fazer e até a fazer o que dizem fazer! Além disso, se recusam a prestar contas apropriadamente. Isso é lamentável. Então o que nos resta é construir maneiras e instrumentos de prestação de contas para a sociedade civil. São novos relatos, novas contas, com o uso de meios alternativos, como a internet, de produzir externamente relatos sobre as atividades dos governos e empresas. Poderia ser simples, não seria caro, mas as empresas não o farão. Então promovamos, nós mesmos, por eles, porque precisamos expor o que está acontecendo nos negócios.


Pesquisador Rob Gray. Foto: Sandro Ruggeri – Humana & Trad (FOTOS/Divulgação)


Qual a contribuição que a CSEAR poderá deixar para a Amazônia?


ROB GRAY – “Sobre a terceira conferência estar contribuindo e despertando debates, especialmente por estar localizada na Amazônia? A intenção do CSEAR é para que cada país, cada região, desenvolva sua própria cara: é pensar global e agir local. Não posso dizer ao Brasil ou Itália ou Austrália o que devem fazer. O Brasil estabeleceu sua comunidade CSEAR, suas conferências, para que, assim, professores, pesquisadores e interessados em levar a frente essas ideias tenham um grupo para acolhê-los e com quem discutir. Isso é essencial! É preciso ter pesquisadores e professores endereçando esses problemas com integridade, bravura e força para se posicionar contra negócios, contra professores e contra mentores que não gostem dessas ideias, se necessário. A continuidade da conferência CSEAR no Brasil é memorável. As pessoas podem começar a desenvolver suas ideias de como operacionalizar as soluções para os desafios a enfrentar. Claro que ser realizada na Amazônia foca a atenção para esses recursos fenomenais para a humanidade que se tem aqui e a dificuldade de se manter toda essa riqueza, por causa dos interesses focados nos negócios, mas não na sociedade como um todo. Nessa região também vemos a enorme desigualdade social que o desenvolvimento focado nos negócios vem criando. Há uma sustentabilidade espetacular. Um exemplo disso é a experiência da Escola Bosque (em Outeiro), não somente pela riqueza natural, mas também pelo trabalho de educação ambiental excepcional feito lá. Por outro lado fica muito claro quais são os problemas. Parece que os brasileiros estão conscientes de toda essa problemática: vide os protestos que estão ocorrendo por toda parte. É tempo! É admirável ver tudo isso ocorrendo.


COLABORAÇÃO: Yara Cintra – professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (TRADUÇÃO); Sandro Ruggeri – Humana & Trad (FOTOS/Divulgação); e Leila Márcia Elias, coordenadora geral da III CSEAR SouthAmerica.

 

Ascom CSEAR 2013

 

Luciane Fiuza

publicado por Luciane Barros Fiuza de Mello às 15:44

Julho 23 2013

O profissional de Contabilidade é considerado um verdadeiro arquivo de informações e um agente essencial para informar a sociedade sobre a situação de uma empresa, por meio da análise e divulgação de informações patrimoniais, financeiras, econômicas, sociais e ambientais. Essa nova postura do contador no mundo atual é uma das questões abordadas na Revista Amazônia, Organizações e Sustentabilidade (AOS), publicação da Editora Unama, da Universidade da Amazônia, voltada à divulgação de conhecimento científico.

 

Os pesquisadores paraenses Leila Márcia Elias, mestre em Gestão e Desenvolvimento Regional, e Narciso Feitosa de Oliveira, com foramção em Letras e graduando em Ciências Contábeis assinam um dos seis artigos da terceira edição da revista, intitulado “Análise da Sustentabilidade Organizacional das Empresas do Setor Mineral do Estado do Pará”.

 

O artigo está relacionado a uma das temáticas abordadas nesta edição da revista - Gestão Social e Ambiental. Os outros temas são Gestão Pública e Finanças e Gestão da Ciência, Informação e Tecnologia.

 

Na análise da sustentabilidade organizacional das empresas paraenses do setor mineral, feita entre 2004 e 2012, os autores selecionaram empresas do setor industrial de transformação mineral que possuem a certificação de qualidade ISO 14001. A sustentabilidade organizacional  foi analisada com base nos registros publicados das informações contábeis de natureza socioambiental.

 

Já a pesquisa bibliográfica e documental incluiu o levantamento de páginas na internet e análise de relatórios institucionais, que demonstram as ações desempenhadas pelas empresas no setor ambiental e sua comprovação contábil.

 

Os autores concluíram que a avaliação da sustentabilidade organizacional das empresas analisadas foi impossibilitada “pela ausência de divulgação de informações contábeis, de natureza ambiental, de forma segregada e quantitativa nas demonstrações contábeis obrigatórias”.

 

O artigo mostra a importância da publicação científica, ao divulgar para a sociedade o resultado desse tipo de pesquisa. A Revista Amazônia, Organizações e Sustentabilidade é uma publicação semestral, que entra no seu segundo ano de existência apresentando trabalhos de pesquisadores de diversas partes do Brasil, e contribuindo para o avanço de teorias e práticas na área de administração.

 

Mais informações sobre a Revista AOS podem ser obtidas no seguinte endereço: www.unama.br/seer/index.php/aos

 

Luciane Fiuza

publicado por Luciane Barros Fiuza de Mello às 16:42

Junho 30 2013

Leila Márcia Elias e os debatedores do painel. Foto: CSEAR 2013 - Divulgação

 

“Turismo e gerenciamento de resíduos sólidos: uma análise a partir da perspectiva dos prestadores de serviço da Praia do Atalaia-PA” e “Pode um instrumento da dominação capitalista se converter em ferramenta emancipatória? Reflexões sobre as funções sociais da Contabilidade” foram dois dos vários temas debatidos em palestras, painéis e workshops durante a III Conferência Sul-Americana de Contabilidade Socioambiental, a CSEAR SouthAmerica 2013, realizada em Belém, capital do Pará.

 

Com o tema “Patrimônio Natural: a Contabilidade e o Controle Social”, os dois dias de conferência reuniram no Campus Básico da Universidade Federal do Pará (UFPA) pesquisadores, profissionais e estudantes da área.

 

No painel “Políticas Públicas e Sustentabilidade na Amazônia”, os professores Célia Sacramenta, da UFPA, vice-prefeita de Salvador (BA) e membro do CSEAR SouthAmerica de Salvador, e Josept Vidal, pesquisador do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (Naea/UFPA), e Mário Vasconcelos, pesquisador do Núcleo de Meio Ambiente (Numa/UFPA), ressaltaram a necessidade de políticas públicas elaboradas de acordo com as carências de cada Estado.

 

Célia Sacramenta (foto ao lado) citou os problemas relacionados ao fornecimento de água potável para comunidades ribeirinhas, situadas no entorno da capital paraense. “A participação da sociedade na formulação, acompanhamento e avaliação das políticas públicas, em alguns casos, é assegurada pela lei. É a Constituição que diz que nós temos o direito de ir e vir, e de falar”, frisou ela.

 

Segundo Josept Vidal (foto ao lado), a comunicação interna e entre as três esferas governamentais deveria se dar “a partir da compreensão dos mesmos códigos”, de como essas mensagens são enviadas e transferidas de um nível para outro. O pesquisador disse que o desafio das políticas públicas, nesse momento, é compreender essa complexidade e “pensar modelos a partir da complexidade desse mundo”, além de priorizar medidas mais urgentes.

 

Márcio Vasconcelos analisou o processo histórico de desenvolvimento da Amazônia e de seus projetos produtivos e de infraestrutura, instalados na região há várias décadas, para extração de seus recursos naturais. Segundo ele, ao mesmo tempo em que se pensava em grandes projetos de produção, como os do setor agropecuário, se preparava as bases para um projeto mais acelerado, como a construção da Hidrelétrica de Tucuruí. “Projetos públicos e privados se instalaram na Amazônia a partir de uma política pública de incentivos fiscais para empreendimentos privados”, ressaltou.

 

                      

Josept Vidal, Célia Sacramenta e Márcio Vasconcelos. Foto: CSEAR 2013 - Divulgação

 

 

Indicadores - Kelly Farias (FOTO), professora da Faculdade de Ciências Contábeis (Facicon) da UFPA e integrante da comissão científica da conferência, abordou os “Indicadores de Sustentabilidade”.

 Dois trabalhos foram apresentados na sessão temática em que foi Kelly Farias atuou como mediadora: “Comparação do Desempenho dos Indicadores de Sustentabilidade do Sistema de Abastecimento de Água em Belém do Pará” e “Divulgação de Indicadores de Desempenho GRI: Evidências do Desempenho de Sustentabilidade de Organizações Financeiras Latino-Americanas” - este apresentado por Leila Márcia Elias, pesquisadora do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da UFPA, membro do CSEAR SouthAmerica e coordenadora da conferência em Belém.

 

Leila Elias representou os demais autores do trabalho: Ynis Cristina Ferreira, da Faculdade Metropolitana da Amazônia (Famaz), José Roberto Kassai e Adylles Manhaes, ambos da Universidade de São Paulo (USP).

 

Sobre este tema, Kelly Farias destacou a Contabilidade lida com “reports” - formas de divulgar as informações econômicas e financeiras. “Passamos muito tempo focados no aspecto financeiro, econômico, principalmente mostrando o lucro, uma variável que a Contabilidade traz que é muito palatável para as pessoas, é muito fácil de se identificar. Só que surgiu essa questão ambiental e a gente começou a focar também nessa área de divulgação ambiental ou ‘report’ ambiental. E, depois, para o ‘report’ social”, explicou.

 

Segundo ela, surgiu um movimento para unificar todas essas vertentes, sendo a Contabilidade responsável por informar a sociedade, por meio de relatórios. “Então, qual a importância desse tipo de ‘report’, que a gente chama de integrado, para o fortalecimento da Contabilidade e para aumentar sua relação com a sociedade? É que, agora, a gente já não olha mais o evento ou os fatos econômicos só de um ponto de vista, só da lógica financeira e econômica, mas também pelas lógicas social e ambiental, dentro de um mesmo relatório”, reiterou Kelly Farias.

 

Em sua palestra, Leila Márcia Elias (FOTO) mostrou sobre como deve ser utilizado pelas empresas, nas próximas décadas, o relatório integrado (One Report). Entre as soluções propostas, estavam “mostrar o montante de riquezas gerado pela empresa (reciclagem, economia de recursos renováveis e outros aspectos), deduzindo as consequências negativas (poluição, água não tratada etc); apresentar o saldo para a economia verde, fazendo o total de problemas menos as soluções realizadas, e mensurar os dados não financeiros, por meio de questionários e opiniões e, a partir disso transformá-los em bases numéricas, com índices pré-criados por setor de atividade”.

 

A realização do evento foi da CSEAR SouthAmerica e da Faculdade de Ciências Contábeis (Facicon) da UFPA, com apoio do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas (ICSA) da universidade e patrocínio da Faculdade Maurício de Nassau, Editora Saraiva, Conselho Regional de Contabilidade (CRC-PA), Banco da Amazônia e Editora Atlas.

 

Ascom/CSEAR 2013


Leia também:


Conferência traz para a Amazônia debate sobre sustentabilidade


Conferência em Belém fortalece a responsabilidade socioambiental da Contabilidade


Conferência de pesquisa em contabilidade socioambiental discute a sustentabilidade em Belém

publicado por Luciane Barros Fiuza de Mello às 17:11

mais sobre mim
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


pesquisar
 
myspace views counter
blogs SAPO