É uma ótima oportunidade para se aperfeiçoar nas aulas e principalmente no palco. O ballet, não requer a dança em sí precisa de um trabalho árduo, às vezes lento, mais do que o esperado. Para se chegar ao palco, precisamos de muito trabalho, técnica e dedicação , do simples "gesto" com mão, até as triplas piruetas. E é isso que o Workshop oferece, tudo isso em 15 dias!
Bruna Cabral a 5 de Janeiro de 2012 às 18:54

Isso mesmo, Bruna. Ballet é inspiração e transpiração. O workshop é uma oportunidade para os bailarinos aperfeiçoarem desde a técnica até a interpretação. E para o público conhecer os mais belos clássicos do repertório mundial ;) Bjs!

Reitero o que disse a Bruna, e digo ainda que além de toda a importância que é dada à dança em sua integridade, o workshop é uma oportunidade singular de dançar um ballet clássico de repertório em um dos maiores teatros do Brasil! Sem dúvida é uma experiência maravilhosa e uma grande realização para os amantes dessa arte. Quem faz o workshop sempre sai satisfeito com o trabalho realizado, as aulas, os ensaios, os espetáculos, os vínculos criados durante o curso... e no fim dos 15 dias de trabalho, sente muita falta de estar na sala de aula diariamente, dançando, aprendendo e trocando experiências. Mas fica o aprendizado, as belas fotos, as amizades, a satisfação e as portas abertas para que voltem a participar no ano seguinte... enfim, é uma ótima oportunidade e uma experiência grandiosa! Vale a pena conferir!
Sara Ribeiro a 6 de Janeiro de 2012 às 12:02

A Bruna e a Sara falam por experiência própria, pois sempre participam do workshop, onde talentos são descobertos e lapidados, e onde todos saem felizes e realizados :)
O ballet é td isso que vc falou, Sara. Seu comentário me fez lembrar Santo Agostinho em seu EU LOUVO A DANÇA:

Louvada seja a dança

porque ela libera o homem

do peso das coisas materiais

e une os solitários para formar sociedade.

Louvada seja a dança que tudo exige e fortalece,

saúde, mente serena e uma alma encantada.

A dança significa transformar o espaço,

o tempo e a pessoa, que sempre corre perigo

de se desfazer e ser ou somente cérebro,

ou só vontade ou só sentimento.

A dança porém exige o ser humano inteiro,

ancorado no seu centro,

e que não conhece a obsessão da vontade de

dominar gente ou coisas,

e que não sente a demonia de estar perdido em

seu próprio ser.

A dança exige o homem livre e aberto

vibrando na harmonia de todas as forças.

Ó homem, ó mulher, aprende a dançar,

senão os anjos do céu não saberão o que fazer contigo.


Santo Agostinho