Simplesmente Lu

Dezembro 06 2009

Lei sancionada pela governadora Ana Júlia transforma em patrimônio cultural e artístico do Pará a dança do carimbó

Foto: Eunice Pinto - Agência Pará

 

A governadora Ana Júlia Carepa sancionou a Lei 7.345/2009, que declara como patrimônio cultural e artístico do Estado do Pará a "Dança Carimbó", representando as tradições e costumes paraenses. O objetivo da lei é preservar, conservar e proteger as formas de expressão, objetos, documentos, fantasias e músicas da referida dança. A lei também faculta apoio técnico, financeiro e cultural do Estado, por meio de seus órgãos afins, para firmar parceria com entidades civis de direito privado, sem finalidade lucrativa, através de celebração de convênios, contratos ou outro instrumento legal. Desta forma, o carimbó fica incluído nos calendários histórico, cultural, artístico e turístico anuais do Estado do Pará

 

Os paraenses organizam a campanha "Carimbó Patrimônio Cultural Brasileiro", cujo objetivo é transformar o ritmo paraense em patrimônio cultural e imaterial de todo o povo brasileiro. A iniciativa busca sensibilizar e mobilizar a sociedade a valorizar e reconhecer o carimbó e suas tradições como parte importante da cultura do país.

 

A campanha surgiu a partir das discussões promovidas pela Irmandade de São Benedito, no Festival de Carimbó de Santarém Novo a partir de 2005. Um processo se iniciou junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para registrar o Carimbó paraense como patrimônio cultural imaterial do Brasil. A campanha é conduzida atualmente por grupos, entidades e movimentos culturais de vários municípios paraenses, contando com o apoio do Ministério da Cultura, IPHAN e do Governo do Estado através da Secult, Rádio e TV Cultura, Fundação Curro Velho e outras instituições.

 

Sensualidade - Dança de ritmo contagiante, de passos sensuais, o carimbó identifica o Pará em qualquer lugar do planeta. Predominante na região nordeste, notadamente no município de Marapanim - que sedia um festival de carimbó -, e no Arquipélago do Marajó, a música e a dança revelam os traços da colonização na Amazônia, dominada por brancos, negros e índios. Homes e mulheres dançam juntos e separados, numa cadência envolvente. 

 

O nome se origina de dois vocábulos da língua Tupi: "curi", que significa pau oco, e mbó, que quer dizer furado, resultando na palavra korimbó, que com o tempo deu origem a curimbó, a qual denomina o tambor característico do ritmo, e carimbó, que remete à dança e à música.

 

Tocados com as mãos, os tambores são acompanhados por reco-reco, viola, ganzá, banjo e maracás. O carimbó é tão representativo da cultura paraense que o Estado é o berço de Mestre Verequete, considerado o rei do carimbó, falecido em 3 de novembro deste ano aos 93 anos, que deixou um dos maiores legados musicais do Pará.

 

Secom 

 

 

Carlos Sodré / Ag Pa            Clique na imagem para ampliar 
O curimbó, instrumento típico do carimbó, dá o ritmo à dança mais representativa da cultura paraense. Foto: Lucivaldo Sena - Ag. Pará
 
© LUCIVALDO SENA / AG. PARÁ            Clique na imagem para ampliar 

Contagiante e sensual, a dança do carimbó ganha o status de patrimônio cultural e artístico do Pará, pelo decreto assinado por Ana Júlia Carepa

Foto: Lucivaldo Sena - Ag. Pará

 

Fonte: http://www.pa.gov.br/noticia_interna.asp?id_ver=55276

 

publicado por Luciane Barros Fiuza de Mello às 21:06

Carimbó parece-me extremamente envolvente e feliz! De certo que seria bacana participar.
Alexandre Valêntulus a 8 de Janeiro de 2010 às 09:10

mais sobre mim
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

21
22
23
25
26

27
28
30
31


pesquisar
 
blogs SAPO